contato@sinttelmt.com.br


(65) 3623-4288

 O SINTTEL e a Claro se reuniram, em 24/05/2019, para dar continuidade às negociações do PPR/2019.

Antes de apresentar o modelo do PPR, a empresa se desculpou pelo atraso devido às reestruturações organizacionais. Em seguida os representantes da Claro apresentaram a seguinte proposta:

- deixar inelegíveis os trabalhadores que pedirem demissão durante o exercício da apuração;

- efetuar a quitação do programa em julho/2020;

- manter inalteradas as demais cláusulas e condições do acordo.

A empresa apresentou, ainda, os resultados acumulados no primeiro semestre do ano, considerando as metas e indicadores estabelecidos. 

A área de suporte ao negócio acumula um total de 1.82 salários (51% da meta); a área de consumo, 1.77 salários (49%); e a área empresarial, 1.63 salários (45%). OU SEJA, SE OS PPRs DAS REFERIDAS ÁREAS FECHASSEM EM JUNHO, OS RESULTADOS SERIAM ESTES ACIMA CITADOS.

O Sindicato recusou prontamente a proposta da empresa. Ponderamos que a revisão das metas apresentadas são muito agressivas diante da atual situação do País. Além disso, as faixas de pontuação de cada indicador, entre o mínimo e o máximo, são bastante estreitas, reduzindo, expressivamente, a possibilidade de atingimento e ganho.

A bancada sindical questionou a existência de uma inconsistência no fator de ajuste, quanto ao realizado de 2018, por constarem valores diferentes no quadro de resultados de 2018 e a proposta apresentada para 2019.

O SINTTEL não aceita o não pagamento do prêmio aos trabalhadores que pedirem demissão ao longo do exercício e reivindica a previsão de quitação do programa até o dia 28 de fevereiro de 2020. 

Reivindicamos também a concessão da antecipação de um salário nominal no mês de setembro de 2019 e EXCLUSÃO DO FATOR DE AJUSTE, “GATILHO” para recebimento do prêmio.

Os representantes da Claro afirmaram que as reivindicações trazidas pela bancada sindical necessitam de uma análise interna com outras áreas da companhia, especialmente as áreas jurídicas e financeiras, razão pela qual propõem retomar as negociações em uma nova oportunidade.

Como não houve consenso, uma nova reunião está previamente agendada para a segunda quinzena de agosto.